quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Idéias soltas

Saudade do temporal. Da mente em estado letal. Do corpo ansiando pelo desapego do mal. Tudo vai se tornando nada, vazio e sem sal.

Dias vieram, dias se foram. Nessa imensidão de números eu perdi o foco, me perdi. Só há velhas incertezas, tudo é confusão.

Queria me esconder do mundo. Ficar em algum cantinho escondida, esperando a dor e a angústia passarem. Depois de um tempo tudo voltará ao normal mesmo.

Quando perdemos a esperança, perdemos tudo.

Estou mantendo meus sonhos escondidinhos, para eles não se lembrarem de como me desviei do propósito de realizá-los.

Escrever é ainda a melhor forma de aliviar a alma machucada.

A gente acaba se distanciando ao decorrer do tempo de: lugares, pessoas e sonhos.

Quando a gente perde as esperanças uma boa parte de nós morre. Não há mais motivação para seguir.

O tempo passa com uma velocidade fria. Em um suspiro tudo voa.

Desespero é uma droga devastadora.

Aprendemos sobre força ao suportar dor.

Dias se vão sem nenhuma iteração. Palavras vão sendo guardadas sem convicção. O que antes era fervor, hoje não passa de lamentação.

Ando sonhando demais, encontro um mundo extraordinário. Voltar para a realidade me causa tanta dor, ter que aceitar a vida, simples, como ela é.

A gente só consegue suportar porque a vida nos obriga.


2 comentários:

  1. Cintya... Não sei nem como começar a falar sobre esse texto... Acredito que todos nós já passamos por uma fase de descontentamento, seja na carreira, família, amor ou qualquer outro setor da vida... Mas você conseguiu captar e transimitir a mensagem de uma alma cansada, de alguém que precisa encontrar motivação suficiente pra enxergar de novo o que de bom a vida tem. Nem preciso falar que adorei, ne? Parabéns..vc escreve lindamente amiga! Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bru minha linda, muito obrigada pelo carinho. Você sempre me incentivando e isso me faz muito bem, aqui coloquei algumas frases que posto no tt.

      Excluir

Seja coerente